Cambraia Cafés

CAMBRAIA CAFES DESDE 1896 DIRETO DA ORIGEM

  • Português do Brasil
  • English

26/09/2013

Diário do Comércio: Cambraia aposta na diversificação

publicado por

Matéria publicada no jornal Diário do Comércio, em 17/9/2013

Matéria publicada no jornal Diário do Comércio, em 17/9/2013

Cambraia aposta na diversificação

Produção anual gira em torno de 22,4 mil sacas de café, com produtividade média de 40 sacas por hectare

Industrializar o café especial produzido na Fazenda Samambaia, em Santo Antônio do Amparo, no Centro-Oeste mineiro, e ampliar as vendas do produto processado nos mercados interno e externo são as principais apostas do proprietário do Cambraia Cafés, Henrique Dias Cambraia, para agregar valor à produção e reduzir os impactos provocados pela queda nos preços do grão.

De acordo com Henrique Cambraia, é importante diversificar as fases da atividade cafeeira, para minimizar a volatilidade dos preços. A diversificação de mercado também é fundamental para manter a lucratividade do setor.

A produção anual da Fazenda Samambaia gira em torno de 22,4mil sacas de café, com produtividade média de 40 sacas de 60 quilos por hectare. A área privada é de 300 hectares e a arrendada é de 260 hectares. “Trabalhamos em uma composição com três mercados diferentes. Parte da produção, cerca de 40%, é voltada para a exportação de grãos verdes, outra parcela, cerca de 15%, é absorvida pela nossa indústria, onde o café processado é exportado e negociado também no mercado interno, e o terceiro mercado, que demanda cerca de 40% da produção, é destinado à indústria de cafés especiais”, diz.

Conforme Cambraia, a parcela destinada às negociações com as indústrias de cafés especiais, que são algumas torrefadoras, exportadores e produtores, não têm os preços vinculados à bolsa de New York, o que rende à empresa, em período de baixa nos preços do café, maior rentabilidade.

“Essas parcerias são fundamentais para garantir margem de lucro melhor para o Cambraia Cafés. Temos acordo com alguns produtores que vendem o grão com a marca Samambaia há mais de 10 anos”, revela.

Tradição — Cambraia ressalta que a produção de cafés é tradição da família, que já está na quarta geração. A produção foi iniciada em 1896 e até 1997 era vendido apenas como commodities através de corretores e cooperativas. “Em 1997 decidi investir na produção de cafés especiais. Em 2000 e 2001 ganhamos o concurso Cup of Excelence, e a partir de então resolvi colocar a mochila nas costas e conhecer o mercado mundial de cafés especiais. Viajei o mundo para ter contato com as indústrias e as r edes de cafeterias do Japão, Noruega, Itália, Inglaterra, Estados Unidos, Coreia, Singapura, Austrália e Nova Zelândia. E desde então o principal atividade é a exportação de cafés in natura especiais”, ressalta. A partir de 2006 o empresário começou a investir na industrialização. “Tivemos a primeira experiência, através de terceirização, o café processado foi enviando para a Rússia. Como os resultados foram positivos, resolvi investir na industrialização e em 2010 montamos a nossa indústria”.

Hoje, o objetivo do cafeicultor é investir no relacionamento direto com alguns clientes em potenciais. “Estamos consolidando o projeto da indústria e iniciando o relacionamento com as redes de supermercados, que buscam o grão especial direto na nossa fazenda. O mercado do Brasil para os cafés especiais é promissor, já destinamos nossos produtos aos estados de Santa Catarina, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, para o interior de São Paulo e Belo Horizonte, que responde por 50% das nossas negociações. O próximo passo será o mercado de São Paulo, Brasília e a região Nordeste do país, que tem mostrado grande interesse pelo Café Cambraia. Também vendemos o grão para as redes de cafeterias com marca Cambraia e das próprias cafeterias”, revela. Após a consolidação da indústria, o próximo passado será investir na rede própria de cafeteria. “Para colocar esse projeto em curso, preciso de um sócio para operar a rede, já que esse mercado não opera somente com o café”. Em relação ao mercado, com preços abaixo dos custos de produção, Henrique Cambraia avalia o momento como ótima oportunidade para rever os processos produtivos e as tecnologias empregadas. “É preciso focar nos custos e manter as operações extremamente eficientes, com grande preocupação no ganho da produtividade.

Estou há 20 anos nos negócios e sempre escutei do meu pai que o café tem um mercado cíclico, é commodity e nunca vai deixar de ser. Isso acontece pelo mercado ser dominado por apenas quatro grandes empresas, fazendo com que sempre tenhamos altos e baixos”, alerta.

A família Cambraia produz cafés de qualidade há mais de um século, atuando no mercado diferenciado internacional e exportando seus produtos para América do Norte, Europa, Ásia e Oceania.

MICHELLE VALVERDE,
de Santo Antônio do Amparo (Viajou a convite da Organização Internacional do Café)
Veja a matéria completa em PDF: Cambraia – Diário do Comércio 17/9/2013

MUNDO DO CAFÉ

A origem do Café

A história do café começou no século IX. O café é originário das terras altas da Etiópia (possivelmente com culturas no Sudão e Quênia) e difundiu-se para o mundo através do Egito e da Europa. Mas, ao contrário do que se acredita, a palavra “café” não é originária de Kaffa — local de origem da planta —, e sim da palavra árabe qahwa, que significa “vinho”(قهوة), devido à importância que a planta passou a ter para o mundo árabe. Leia mais »